Notícias

Acesso restrito

Insira seu usuário e senha para acesso ao sistema jurídico

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Ação sobre prazo de inelegibilidade de parlamentar cassado está na pauta desta quarta-feira (15)

O Plenário do Supremo Tribunal Federal deve julgar nesta quarta-feira (15) a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4089, com pedido de liminar, contra dispositivo legal que torna inelegíveis, por oito anos após o término da legislatura, os parlamentares que tenham sido cassados por infringência ao artigo 55, I e II, da Constituição Federal, que se referem, respectivamente, a vedações impostas aos parlamentares a partir da data diplomação e à quebra de decoro. A ação foi ajuizada pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e questiona o artigo 1º, inciso I, alínea "b" da Lei Complementar 64/1990, alegando que ela confere tratamento diferenciado e desproporcional a agentes políticos que venham a perder seus mandatos por situações análogas. Segundo a ação, o prazo de inelegibilidade, no caso de um presidente da República que perde seu mandato, começa a contar da data de sua cassação, enquanto que para parlamentares a data começa a contar apenas após o término da legislatura em que ele foi cassado. Assim, a ação pede que o prazo de inelegibilidade no caso dos parlamentares passe a contar da data da sua cassação, da mesma forma que para o chefe do Poder Executivo. Outro tema em pauta é a extensão do foro por prerrogativa de função para persas categorias profissionais, como delegados de polícia, promotores de justiça e defensores públicos do Maranhão. A questão é objeto da ADI 2553. Ainda na pauta está a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 129 que questiona o sigilo de movimentações financeiras do governo. O argumento sustentado na ação é de que o artigo 86 do Decreto-Lei 200/1967, que instituiu o sigilo, não teria sido recepcionado pela Constituição Federal de 1988. Argumenta que a Constituição prevê a publicidade dos atos da administração pública como regra e que o sigilo só pode ser decretado quando envolver questão de segurança da sociedade e do Estado. O relator, ministro Ricardo Lewandowski, indeferiu liminar. Confira, abaixo, todos os temas pautados para esta quarta-feira (15). Os julgamentos têm transmissão ao vivo pela TV Justiça, Rádio Justiça e no canal do STF no YouTube. Relator: ministro Edson Fachin Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) x Presidente da República e Congresso Nacional A ação do PTB ataca a alínea “'b” do inciso I do artigo 1º da Lei Complementar 64/1990, na redação dada pela Lei Complementar 81/1994. O dispositivo estabelece a inelegibilidade para quaisquer cargos dos membros do Congresso Nacional, das Assembleias Legislativas, da Câmara Legislativa e das Câmaras Municipais, que hajam perdido os respectivos mandatos por infringência ao disposto nos incisos I e II do artigo 55 da Constituição Federal ou dispositivos equivalentes sobre perda de mandato e inelegibilidade dispostos nas legislações estaduais, municipais ou distrital, para as eleições que se realizarem durante o período remanescente do mandato para o qual foram eleitos e nos oito anos subsequentes ao término da legislatura. Na ação, o PTB afirma que o prazo de inelegibilidade para os parlamentares estabelecido originalmente pela alínea “b” do inciso I do artigo 1° da Lei Complementar 64/1990 era de três anos, a contar do término da legislatura, e que passou para oito anos, com vistas a garantir tratamento isonômico entre os parlamentares e o disposto para o cargo de Presidente da República. Entretanto afirma que ao manter o início da contagem do prazo a partir do término da legislatura e não da perda do mandato, criou-se uma situação desigual.  Em discussão: saber se ofende os princípios da igualdade, da razoabilidade e da proporcionalidade a contagem do prazo de inelegibilidade a partir do término da legislatura nos casos de perda de mandato parlamentar por violação aos incisos I e II do artigo 55 da Constituição. PGR: pela improcedência do pedido. Relator: ministro Gilmar Mendes Partido dos Trabalhadores x Assembleia Legislativa do Maranhão A ação contesta o inciso IV do artigo 81 da Constituição do Maranhão, introduzido por meio da Emenda Constitucional 34/2001. O requerente afirma que a nova redação atribui foro criminal por prerrogativa de função a procuradores do estado, procuradores da Assembleia Legislativa, defensores públicos e delegados de polícia. Afirma que a norma subtrai de juízes e promotores de Justiça o processo e julgamento de crimes eventualmente praticados pelos titulares dos mencionados cargos. Sustenta que o alargamento do foro criminal por prerrogativa de função viola o princípio da isonomia, porque confere tratamento desigual a pessoas em posição idêntica. O Tribunal deferiu a medida cautelar para suspender a eficácia da Emenda Constitucional 34/2001. Em discussão: saber se é constitucional o dispositivo que outorga foro especial por prerrogativa de função a procuradores do estado, procuradores da Assembleia Legislativa, defensores públicos e delegados de polícia. PGR: pela procedência do pedido. Relator: ministro Edson Fachin Partido Popular Socialista (PPS) x Presidente da República ADPF em face do artigo 86 do Decreto-lei 200/1967, o qual estabelece que a movimentação dos créditos destinados à realização de despesas reservadas ou confidenciais será feita sigilosamente e nesse caráter serão tomadas as contas dos responsáveis. O PPS alega que a diretriz da Constituição Federal de 1988 foi no sentido de consagrar o princípio da publicidade dos atos da administração pública, salvo quando for imprescindível à segurança do Estado, mas que “não se mostra suficiente alegar que o sigilo das informações se deve à segurança do Estado, sem apresentar a devida motivação”. Em discussão: saber se o dispositivo impugnado ofende o princípio da publicidade ao estabelecer o sigilo na movimentação dos créditos destinados à realização de despesas reservadas ou confidenciais. PGR: pela improcedência do pedido. Relator: ministro Marco Aurélio Abril Comunicações S/A e Daniela Pinheiro x Claudete Torres França da Silva Ação rescisória, com pedido de antecipação de tutela, que visa à rescisão do acórdão que considerou exigível depósito recursal prévio, previsto no artigo 57, parágrafo 6º, da Lei de Imprensa (Lei 5.250/1967) e deu provimento ao agravo de instrumento interposto por Claudete Torres França da Silva. A alegação é de que, em primeira instância, o pedido inicial foi julgado procedente para condenar as autoras ao pagamento de indenização no valor de 100 salários mínimos vigentes à época. O caso decorre da matéria jornalística intitulada “Promessa de milagre”, sobre terapias alternativas, publicada na revista “Veja”, em 1º de maio de 2002. Em discussão: saber se decisão rescindenda viola o artigo 5º, inciso II, da Constituição Federal e se é cabível ação rescisória fundada em discussão que envolve o conhecimento de apelação julgada deserta. PGR: pela extinção da ação rescisória, sem resolução do mérito. Veja, ainda, as listas previstas para julgamento na sessão desta quarta-feira.
14/05/2019 (00:00)

Contate-nos

Avenida Getúlio Vargas  18-46  14° Andar
-  Jardim Europa
 -  Bauru / SP
-  CEP: 17017-383
+55 (14) 3206-0206
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.