Segunda-feira
17 de Junho de 2019 - 

Notícias

Acesso restrito

Insira seu usuário e senha para acesso ao sistema jurídico

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Iniciado julgamento de inquérito envolvendo políticos do PP acusados de integrar organização criminosa

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), na sessão desta terça-feira (21), deu início ao julgamento do Inquérito (Inq) 3989, que investiga os deputados federais Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Arthur de Lira (PP—AL) e Eduardo da Fonte (PP-PE) e o senador Ciro Nogueira (PP-PI) pela suposta prática do crime de associação criminosa (artigo 2º da Lei 12.850/2013). Após a leitura do relatório pelo ministro Edson Fachin e das manifestações orais do representante do Ministério Público Federal (MPF) presente à sessão e dos advogados dos parlamentares, o julgamento foi suspenso. De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal em setembro de 2017, os parlamentares integravam a cúpula do Partido Progressista (PP) em organização criminosa voltada ao cometimento de delitos contra órgãos da Administração Pública direta e indireta, como a Petrobras, a Caixa Econômica Federal (CEF) e o Ministério das Cidades, visando a arrecadação de propina de forma estável, profissionalizada, preordenada, com estrutura definida e repartição de tarefas. Consta da peça acusatória que, após a morte do deputado José Janene em 2010, o grupo dissidente, composto por Ciro Nogueira, Eduardo da Fonte, Arthur Lira e Benedito de Lira, assumiu o controle do PP, articulando a substituição da liderança do partido na Câmara dos Deputados em favor de Aguinaldo Ribeiro, mantendo entretanto as ações de captação e repasse de propina decorrente de contratos relacionados à Diretoria de Abastecimento da Petrobras. Para o MPF, estaria claro que a nomeação e manutenção de Paulo Roberto Costa no cargo deram início “ao esquema que beneficiou indevidamente, por mais de uma década, o núcleo político do PP na organização criminosa”. Na sessão da hoje, em nome do Ministério Público Federal, o subprocurador-geral da República Edson Oliveira de Almeida afirmou que a denúncia descreve de forma clara, objetiva e inpidualizada a atuação de cada um dos denunciados. “Traz provas suficientes de que, no âmbito da Diretoria de Abastecimento da Petrobras, durante os anos de 2004 a 2015, existiu um esquema criminoso estável, profissionalizado, com estrutura definida e com repartição de tarefas que envolvia a prática de crimes em série”, afirmou. Da tribuna, os advogados de defesa sustentaram, em síntese, que a denúncia do MPF tem a intenção de criminalizar a política brasileira ao investigar atos políticos comuns. O advogado Pierpaolo Bottini, em defesa do deputado Arthur Lira, apontou que a acusação está pautada apenas na palavra de delatores, sem dados que corroborem as versões apresentadas em colaboração premiada. Destacou ainda que a peça recicla fatos já arquivados pela 2ª Turma no julgamento de outros inquéritos. Bottini afirmou que Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef perderam apoio da bancada após a morte de Janene, por isso tinham interesse em prejudicar os acusados. Em nome de Aguinaldo Ribeiro, o advogado Roberto Podval suscitou a atipicidade da conduta tendo em vista que os fatos imputados aos acusados se findaram em 2012, antes da promulgação da Lei 12.850/2013, que tipificou o delito de organização criminosa. Antônio Carlos de Almeida Castro, defensor do senador Ciro Nogueira, sustentou a inépcia da denúncia em razão da ausência de descrição inpidualizada das condutas atribuídas a cada investigado e da falta de elementos estruturais componentes do tipo penal de organização criminosa, quais sejam, estabilidade, estrutura bem definida, repartição de tarefas, dentre outros. Para ele, a denúncia do MPF foi feita “sem a mínima preocupação com a técnica” e peca por “falta de lealdade”, ao se referir a fatos constantes de inquéritos já analisados e rejeitados pela Segunda Turma do STF. O advogado Marcelo Leal, em nome do deputado Eduardo da Fonte, afirmou não haver justa causa para a instauração da persecução criminal, por se tratar de acusação “manifestamente abusiva” que não descreveu os elementos constitutivos do crime de organização criminosa. 
21/05/2019 (00:00)

Contate-nos

Avenida Getúlio Vargas  18-46  14° Andar
-  Jardim Europa
 -  Bauru / SP
-  CEP: 17017-383
+55 (14) 3206-0206
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.