Terça-feira
22 de Outubro de 2019 - 

Notícias

Acesso restrito

Insira seu usuário e senha para acesso ao sistema jurídico

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

overno revoga portaria que criava grupo de súmulas no Carf

Por Gabriela Coelho O Ministério da Economia revogou nesta segunda-feira (7/10) a portaria que instituía o Comitê de Súmulas da Administração Tributária Federal e vai propor a edição de um novo normativo que será previamente submetido à consulta pública. Segundo o órgão, a nova minuta preverá a participação de representantes dos contribuintes, de modo a garantir a representatividade efetiva em suas decisões, respeitando a atual composição paritária do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). "O órgão, criado pela MP da Liberdade Econômica, fixará súmulas de questões pacificadas no Carf. A portaria 531, de 30 de setembro de 2019, revogada hoje, determinava que apenas representantes de órgãos do governo federal (Receita, PGFN e Carf) estariam no colegiado", diz a pasta. Revisão A norma foi criticada por vários especialistas da área, inclusive conselheiros do Carf. A Ordem dos Advogados do Brasil do Distrito Federal publicou uma nota em que pede a revisão e reestruturação da Portaria 531 do Ministério. O Colégio de Presidentes das Comissões de Direito Tributário das seccionais da OAB disse que a Portaria 531 extrapola a competência regulamentar que lhe foi atribuída pelo legislador ordinário. A Associação dos Contribuintes do Carf (Aconcarf) também se mostrou surpresa. Para a entidade, a criação de novas súmulas teriam o efeito de esvaziamento do órgão, e não contaria mais com conselheiros representantes dos contribuintes. Para o presidente da Aconcarf, Wesley Rocha, a revogação da portaria fortalece o entendimento do Ministério sobre o processo de construção dos precedentes do Carf, em especial da necessidade de participação dos conselheiros dos contribuintes, que atuam diretamente nos processos fiscais. "Um dos objetivos é de que não se congestione ainda mais o judiciário com excessos de demandas formado em precedentes sem a colaboração mais robusta desses conselheiros. Foi uma importante vitória para os contribuintes e para o devido processos legal. Estamos disponíveis para participar e colaborar com a elaboração de eventual nova Portaria para que não reste comprometida a paridade do órgão", afirmou. Gravidade Sanada Na avaliação do tributarista Breno de Paula, a revogação é uma boa notícia. "A portaria 531, hoje revogada, extrapolava o art 18-A da lei 10522/2002, que fala em “integrantes” do Carf. Era ilegal por ofensa à lei 10.522 e inconstitucional porque inviabilizava o processo administrativo. Ofendia o due process, que é garantido também aos litigantes em processo administrativo. Transformava-o numa simulação, já que tudo seria definido pelo próprio credor”, afirmou. Para o professor e pesquisador da FGV Direito e do Insper, Breno Vasconcelos, do Mannrich e Vasconcelos Advogados, o Ministério da Economia demonstrou que compreendeu a gravidade da previsão anterior. "A pasta entendeu a gravidade ao destacar que submeterá a nova minuta de Portaria à consulta pública, uma abertura democrática elogiável, e registra que o Comitê fixará súmulas 'de questões pacificadas no Carf' e com a participação de representantes dos contribuintes", disse. Segundo o advogado tributarista Allan Fallet, do escritório Amaral Veiga, os órgãos administrativos não podem ser vistos como "tribunais". "Além disso, a ausência de um representante dos contribuintes no Comitê desrespeitava a natureza jurídica do processo administrativo fiscal, pois a sua norma reguladora localiza o seu fundamento de validade na Constituição Federal, e não obstante os privilégios atribuídos a Administração Tributária, as garantias os princípios constitucionais tributários devem ser respeitados", pontuou. Para o tributarista José Maria Arruda de Andrade, a solução pela consulta pública deve ser sempre louvada, assim como o respeito à proteção que a Constituição buscou atribuir ao processo administrativo (liberdades públicas). "Afora as questões já mencionadas das garantias fundamentais dos contribuinte e da segurança jurídica, a ideia de se adotar “precedentes” e instrumentos de uniformização de entendimento deve respeitar a maturidade da decisão construída", disse. Segundo Arruda, permitir a aprovação de temas rejeitados pelo pleno do Tribunal com base em decisão de três representantes diretamente interessados no interesse público secundário de natureza arrecadatória é o contrário da estabilização e amadurecimento jurisprudencial. "Acabaria por se tornar uma súmula por avocatória, com o consequente Esvaziamento do Carf enquanto tribunal administrativo (paritário)", explicou.

Contate-nos

Avenida Getúlio Vargas  18-46  14° Andar
-  Jardim Europa
 -  Bauru / SP
-  CEP: 17017-383
+55 (14) 3206-0206
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.